Páginas

Você é meu convidado

terça-feira, 28 de outubro de 2014

COM URNAS ELETRÔNICAS NO BRASIL O POVO NUNCA ELEGEU A NINGUÉM.

Não é uma coisa que eu apenas acredito, tive provas disto, fui mesário quando as eleições eram em papel, fui fiscal de partido quando as eleições eram em papel, fui militar quando as eleições eram em papel. Naquela época para fraudar as urnas era uma coisa muito difícil pois se caso fosse, a quantidade de pessoas envolvidas era enorme.


Com as urnas eletrônicas hoje é simples, basta apenas 1 para burlar todo o sistema, técnicos brasileiros já avaliaram isto, técnicos pelo mundo já avaliaram isto, a única forma de não fraudar as urnas é pelo voto impresso pois dai se pode auditar.

Os candidatos já sabem disto, a palhaçada e circo eleitoral não passa de névoa para ludibriar o povo pois quem de fato governa quer a sua assinatura no pleito para dar aval ao mesmo e criar uma imagem de "democracia" que nunca houve.

Os militares já diziam que o povo não sabe votar, é simples, o povo não sabe votar naqueles que os que mandam no Brasil querem que você vote, logo, as eleições de 2014 para presidente foi deveras uma palhaçada sem tamanho que o povo comprou.

Dilma e Aécio apenas participam do pleito como artistas fazem suas performances no teatro, televisão e cinema, é apenas entretenimento uma vez que se fosse o pleito real o PT nunca poderia eleger a ninguém pois já teria sido cassado por participar do Foro de São Paulo.
Vejam a velocidade em que o PSDB aceitou a perda do pleito, vejam a velocidade em que o PT assimilou o ganho do pleito e agora esta, a ideia de divisão de classes no país apenas servirá para uma coisa:
A IMPLANTAÇÃO DE FATO DE UMA DITADURA COMUNISTA

Pois já vivemos em uma ditadura comunista a 12 anos, só há maquiagem de democracia e em breve vocês verão:
1) O Governo irá ditar como você deve trabalhar (isto já existe para a hotelaria através de NBR's)

2) O Governo irá ditar quanto as empresas podem cobrar.
3) O Governo irá ditar quanto os empresários poderão ganhar
4) O Governo irá ditar o quanto você pode receber, comprar, comer.


Uma das grandes diferenças que há entre uma ditadura comunista e uma ditadura capitalista é o fato de que em uma ditadura comunista não há regulação de mercado pois não há concorrentes já que o governo detêm o monopólio de tudo, (já temos isto na gasolina, na soja, mo milho, na água, na energia, nas comunicações, e no transporte, ou seja: nos principais).

A outra diferença é a de que no capitalismo há diferenças entre ricos e pobres (financeiramente falando), contudo pobres podem se tornar ricos com seus esforços, já no comunismo o povo é pobre e os ricos são os militantes do partido.

Outra diferença é o fato de que no capitalismo o que mais importa é o capital e a nação em conjunto, já no comunismo o partido é mais importante que a nação e seu povo.

Há apenas uma única maneira de acabar com isto e é a militância apartidária de seu povo, somente nós podemos acabar com isto, e não é apenas nas urnas, é de fato sair às ruas e parar o país exigindo que sejam devolvidos nossos direitos e nosso poder, pois não o cedemos de forma voluntária já que não elegemos a ninguém.

EU NÃO CEDO MEU PODER A ESTA CORJA QUE AI ESTÁ.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Não é uma barricada!

Pasmem

as imagens abaixo estão na esquina de uma escola, de frente a um posto de saúde, de frente a uma biblioteca municipal e do lado da subprefeitura, endereço do local? Rua Taquari, 549 na Mooca dentro do Parque. Na foto em pé é possível ver o prédio da subprefeitura






quinta-feira, 30 de maio de 2013

Vivemos numa realidade virtual?

(NaturalNews) Um estudo da Universidade de Bonn levou a uma nova rodada de especulações sobre a natureza do universo. 

O estudo propõe que os raios cósmicos passam por uma mudança de energia estranha. As energias estão "re-equipada" para alinhar com um padrão subjacente ou estrutura. Há apenas um ajuste apropriado, sem exceções são permitidas. 

Se a rede é, na verdade, o pixel-como a realidade básica, estamos interagindo com todos os dias de nossas vidas, então nós poderíamos estar vivendo dentro de um artifício criado. 
A simulação. 

Coloque essa descrição ao lado a hipótese de que o universo é um holograma: linhas de código inscrito em uma superfície bidimensional fornecer instruções sobre como a rede é construída e quais são suas propriedades. 

Em outras palavras, o software que holograficamente projecta o universo inclui a estrutura exacta da estrutura. 

Depois, pelas regras do jogo, as energias que não são automaticamente plugue no quadro treliça exatamente como eles deveriam se "agarrado" a um ajuste correto, como Mike Adams (Notícias Natural) sugeriu. 

De Mike fez a analogia a uma imagem de televisão, que consiste de pixels que têm as suas próprias dimensões e estrutura. Então, se imaginarmos um abrangente "imagem da televisão", esta seria a realidade da estrutura controlada em que vivemos 

Paul Watson (infowars) faz a pergunta: é este universo de simulação de nossa própria criação? Desde a época poderia ser bastante flexível, onde as simulações estão em causa, poderíamos ter feito essa realidade a partir de uma plataforma no futuro e então inserido nos para isso? 

O que me interessa é a noção de que os seres humanos têm usado a tecnologia para construir um cosmos cientificamente concebidas. 

Isso é possível, ou estamos aplicando um paradigma contemporâneo de um universo cuja natureza realmente excede esse paradigma? 

Em um projeto de 10 anos de montar uma coleção chamada The Matrix Revelada, eu fiz um grande esforço de investigação sobre outras noções de criação ou "construção da realidade". 

É claro que em níveis profundos, a propaganda se transforma em auto-propaganda. A fim de viver dentro de um universo de Matrix ou de nossa própria fabricação, teríamos de produzir, em nós mesmos, um nível extraordinário de amnésia sobre o que fizemos. Caso contrário, nós saberíamos. Gostaríamos de andar por aí, sabendo muito bem que tinha projetado a nossa própria ilusão, ea coisa toda iria desmoronar. 

Imortal e livre da estrutura, que dificilmente quer gastar todo o nosso tempo preso nele. 

Os tibetanos antigos sabiam muito sobre este enigma. Antes de se tornarem uma sociedade teocrática de ritos e rituais e um elitismo rigoroso, eles estavam desafiando os aventureiros na borda de experimentos na consciência. 

Baseando-se nos ensinamentos de adeptos marginalizados itinerantes da Índia, eles desenvolveram uma prática chamada, por alguns estudiosos posteriores, "visualização divindade." (Veja John Blofeld, o misticismo tântrico do Tibete) 

Talvez com base em uma mandala-pintura já existente, um professor daria seu aluno um relatório muito detalhado e específico "personagem" para criar em sua imaginação. Este esforço, se ele foi bem sucedido em tudo, pode levar meses ou até anos. 

O objetivo era mentalmente manter a imagem complexa intacto, em cada detalhe, e não apenas por alguns segundos ou minutos, mas por tempo indeterminado. Se o aluno foi bem sucedido nessa tarefa árdua, ele iria logo descobrir que o personagem que ele criou parece assumir uma vida própria. 

O personagem ou divindade se tornaria amigo e guia do aluno e dar-lhe conselhos valiosos e conselho. Quando o professor percebeu essa relação tinha evoluído a um ponto muito próximo, ele iria pedir ao aluno para se livrar do personagem completamente. 

Isto, dizia-se, era mais difícil do que o ato original de criação. Mas se o aluno era capaz de realizar ambos os aspectos (criativo e destrutivo) do exercício, ele iria em seguida, perceber, ver e conhecer, com plena consciência, que o universo era um produto da mente. 

Nessa encruzilhada, ele seria capaz de tomar espontaneamente além pedaços do "holograma" ou "a rede", e até mesmo criar (a partir do nada) novos objetos que não existiam antes. 

É fascinante que agora, no início do século 21, temos um círculo completo. Estamos contemplando a possibilidade de que nós criamos este universo --- mas através de meios tecnológicos. 

Talvez os adeptos tibetanos, em sua prática, na verdade, viu a rede ou até mesmo a superfície bidimensional no qual o código holográfica do cosmos está inscrito. 

Outra pista sobre a origem ou a força subjacente que fez o universo é revelada através de um estudo do famoso diagrama alquímico: duas varas cruzadas. 

Os quatro terminais foram ditas para representar os aspectos básicos ou elementos da natureza: terra, ar, fogo e água. De acordo com algumas interpretações alquímicos, esses elementos foram em eterno conflito uma com a outra. 

A resolução do conflito foi representado pelo centro local onde as duas varas cumpridas. Esta intersecção misterioso foi chamado Quintessence, e seu significado foi debatido por muito tempo. 

Paracelso, um dos mais famosos dos alquimistas europeus, parece ter pensado que Quintessence foi, de fato, a imaginação. 

Em outras palavras, o nosso poder criativo pode mudar o projeto inerente de realidade . Se assim for, então é apenas um passo a partir daí inferir que a nossa imaginação inventou o projeto em primeiro lugar. 

Alguns vão dar esse passo, outros não. Independentemente disso, a história de milhões de artistas no planeta diretamente aponta para o fato de que, quando liberto das restrições, os seres humanos tornam-se extremamente criativo. Cada pintura, jogo, poema, romance é um mundo próprio, um universo. Talvez isso sugere que o universo físico é apenas uma obra de arte, de um possível infinito de universos. 

William Blake, um dos poetas ingleses mais reverenciados, fez várias declarações notáveis ​​sobre o poder da imaginação: 

"Alguns vêem a natureza tudo ridículo e deformidade ... e alguns escassos ver a natureza em tudo. Mas para os olhos do homem de imaginação, a natureza é a própria imaginação." 

"A imaginação é o mundo real e eterna da qual este universo vegetal é apenas uma tênue sombra." 

Claro que, a noção de múltiplos universos é reflectida na ciência contemporânea. O físico Brian Greene, autor de A Realidade Invisível, explica que a Relatividade e Teoria Quântica, cada um muito útil em sua própria maneira, entram em alto conflito matemático quando colocados lado a lado. 

Uma resolução do conflito pode ser alcançada através da teoria da corda, no qual minúsculas cordas vibrantes (em 10 ou 11 dimensões) explicar a composição deste universo. Mas a Teoria das Cordas também sugere muitas superfícies ou membranas ou ilhas em que podem existir matéria, energia e tempo: universos múltiplos. 

Não importa o que força ou poder que dizem que fez este universo, um novo dia está aqui. Estamos chegando ao lidar com a idéia de que o universo não é toda a realidade que existe. Alguns acham isso perturbador. Outros são inspirados a se sentir intensamente é libertadora. 

Além de qualquer hipótese sobre a estrutura básica do universo, não permanecem as perguntas básicas sobre nós, como sucintamente expressa no título do célebre pintura de Paul Gauguin 1897: Where Do We Come From? O que somos? Para onde estamos indo? 

Para aqueles que responder a estas questões em termos do Divino e Deus, é interessante considerar a essência original e princípio da Kabbalah. Contrariamente a muitas interpretações, toda a idéia deste texto em evolução é a proliferação: avançando todo o conhecimento, toda a ciência, toda a poesia, as artes, os seres humanos cada vez mais perto de Deus. Em outras palavras, para a inclinação religiosa, nada aprendemos sobre o nosso poder potencial --- até mesmo a possibilidade incompreensível que inventou essa simulação chamado universo --- subtrai poder divino. 

Recentemente, estudou pintura intrigante de Gauguin novamente. Atrás dos três grupos centrais de pessoas que representam as três perguntas básicas, o fundo azul-claro mostra figuras e cenas que o artista chamou o Além. 

Que dá origem a outra hipótese. Estamos vivendo em uma interpenetração de vários universos simultâneos ou planos de existência. E eles estão todos aqui agora, se pudéssemos vê-los. 

A rede rigoroso ou código holográfico definir este universo é apenas a maneira um plano de existência é estruturada. 

Ao invés de reduzir todos os universos possíveis para os princípios em que este pode ser construído, por que não considerar muitas, muitas outras "obras de arte?" Cada universo é construído ou improvisado fora do poço infinito de liberdade criativa ... 

Poderia haver uma maior ilustração do princípio da Abundância? 

Ao longo da história, os seres humanos têm tentado alcançar, e elevando a idéia de maior abundância. Em uma das primeiras histórias da Bíblia, Antigo testamento Joseph, como um menino, sonhos de dançar feixes de trigo. Trigo, grão era, para os antigos, um símbolo vivo da abundância. 

Johanna Stuckey, conhecido pesquisador em início deusas, aponta que a deusa suméria grão, Ezina / Ashnan, também foi chamado Senhora da Abundância. 

Nós sempre procurou, na fé, na esperança, no mito, na história, na investigação dos meios para a abundância infinita. Agora, também vemos isso refletido em nossas contemplações mais profundas: não apenas um universo, mas muitos universos, sem fim. Porque se estamos vivendo neste espaço virtual e tempo, por que não outro continua existe? 

Todos eles são simulações? É uma pintura a simulação? Não é verdade. É uma invenção independente, realizado em liberdade, lançado a partir da imaginação desenfreada de um artista. Ele é o seu próprio universo. 

Somos todos artistas. 

Com todos os véus e cortinas levantada, esta é a verdade que temos estado à espera, a verdade sempre soubemos. 

As três perguntas Paul Gauguin pediu poderia ser titanically re-enquadrados: Dissolução dos mitos sociais de falsas limitações, o que você pode realmente criar? Quão poderosa é a sua imaginação? O que você vai criar universos? 

Jon Rappoport 
O autor de uma coleção de explosivo, a matriz revelada, Jon era um candidato a uma vaga no Congresso dos EUA no Distrito 29 da Califórnia. Nomeado para o Prémio Pulitzer, ele trabalhou como um repórter investigativo há 30 anos, escrevendo artigos sobre política, medicina e saúde para CBS Healthwatch, LA Weekly, rotação Magazine, Stern, e outros jornais e revistas em os EUA e na Europa. Jon tem proferido palestras e seminários sobre a política mundial, a saúde, a lógica, e poder criativo para audiências em todo o mundo. Você pode se inscrever para os seus e-mails gratuitos em www.nomorefakenews.com 


Sobre o autor: 
O autor de uma nova coleção de explosivo, a matriz revelada, Jon 
era um candidato a uma vaga no Congresso dos EUA no Distrito 29 de 
Califórnia. Nomeado para o Prémio Pulitzer, ele trabalhou como 
repórter investigativo há 30 anos, escrevendo artigos sobre política, 
medicina e saúde para a CBS Healthwatch, LA Weekly, revista Spin, 
Stern, e outros jornais e revistas na Europa e os EUA. Jon 
tem proferido palestras e seminários sobre a política mundial, a saúde, a lógica, 
e poder criativo para audiências em todo o mundo. 
www.nomorefakenews.com

Learn more: http://translate.googleusercontent.com/translate_c?act=url&depth=1&hl=pt-BR&ie=UTF8&prev=_t&rurl=translate.google.com.br&sl=auto&tl=pt&u=http://www.naturalnews.com/039066_virtual_simulation_reality_Bonn_University.html&usg=ALkJrhg4zm7jeCjWbe9L_qKJwEX8dMRhPA#ixzz2Un8BL9Jx

quarta-feira, 1 de maio de 2013

A escola é feita pela comunidade


Está é minha opinião como conselheiro pai de Alunos de uma escola da prefeitura de São Paulo

Nos primeiros dias de aula da EMEF , apresentou-se a nova diretora para todos os pais no anfiteatro da escola, onde, suas palavras duras e não muito assertivas, me deixou um tanto preocupado com os rumos a serem tomados pela escola nos dias vindouros. Para que pudesse visualizar melhor a pessoa que tem o cargo de Diretoria, pois, aparentemente se tratava da mesma pessoa que em anos anteriores havia se colocado como diretora de EMEI onde meu filho estudara, queria ter certeza de que era a mesma que antes havia me impressionado de forma positiva com suas atitudes modernas e inquisitivas e sim, confirmei como sendo a mesma que já havia conhecido e a saudei lhe dizendo que nos encontraríamos no conselho da escola. Se eu não soubesse que esta diretora já havia conseguido a sua vaga na função através do tapetão, ou seja, através de ordem judicial que ela mesma já havia me comentado na EMEI, acreditaria que a mesma apenas e tão somente quereria colocar situações onde imperasse a sua vontade, mas como já era sabedor desta artimanha legal imposta por ela, já era conhecedor que esta pessoa não iria ficar apenas em palavras ao vento.

Dada a primeira reunião de conselho desta EMEF conforme vocês mesmos podem verificar em postagem anterior, infelizmente vi que não se tratava exatamente da mesma pessoa que havia conhecido na EMEI, apesar de mesmo corpo e alma, esta pessoa havia mudado para uma entidade totalmente autoritária e um tanto impositiva com relação aos seus atos, onde ficara claro a sua posição antagônica junto ao corpo docente da escola, em segunda convocação do conselho, também postada aqui, a situação já parecia ter piorado e tanta as atitudes da Diretora quanto a do corpo docente presente eram ríspidos e com altos graus de farpas destiladas principalmente por aquela pessoa que deveria ser o exemplo de democracia e cordialidade que cabe a função de Direção em uma escola pública.

Me coloquei no lugar dos professores ante a atitude de um general que chegara e me coloquei na posição da diretora ante um grupo democrático, em ambas posições a que mais me identifiquei foi com a dos professores, eu pessoalmente, já teria soltado varias "brasas" com ela, afinal de contas, estamos num estado laico e democrático onde professores detém os seus cargos através de concurso público e mesmo num estado ditatorial a qual vivi meus anos de infância, a educação pessoal e o decoro sempre fizeram parte da ética de todos e mesmo que hajam alguns poucos "professores" que apenas concursaram para ter garantida uma aposentadoria nas tetas do governo, não é o caso da maioria dos professores desta EMEF.

Infelizmente o que esta diretora tem trazido para esta escola não é nada mais nem nada menos que uma prerrogativa de um estado que não mais existe e que nos livramos a pouco tempo, suas ações demonstram que não apenas quer fazer da escola um presidio maior do que já é, como também quer dizer que sem o seu método o caos tomará conta da escola a ponto de proferir as seguintes palavras que até hoje espezinham meus ouvidos:

"Se vocês não aprovarem o que estou pedindo (se dirigindo ao conselho) depois não venham reclamar quando suas filhas chegarem grávidas em suas casas"

Me pergunto, o que levaria uma senhora de idade que pode perfeitamente ser a avó de meus filhos a dizer tamanha barbaridade aos pais que ali estavam presentes? Isto não apenas despertou o leão dentro de mim, como também me instigou a traçar uma linha imaginária que dali não passaria, pois, se a Diretora de uma instituição de ensino se posiciona desta maneira, o que será de meus filhos lá dentro? Ora bolas, exijo que meus filhos respeitem a todos da mesma maneira que são respeitados e não poderia deixar que tamanha vexisse pudesse se dar em um lugar de ensino e decência como sempre foi a EMEF.

Sem perder tempo, expus de forma enérgica a falta de respeito que a mesma estava tendo não somente comigo, mas com todos os pais ali presentes e como representante eleito dos demais não presentes, eu tinha o dever não apenas ético e moral, mas o dever como ser humano livre e decente em uma sociedade ampla e democrática.

Após a exposição, vocês leitores já podem perceber que o clima desta reunião ficou pesado, já não havia mais vontade por parte de todos os presentes de continuar com tal momento e todos encerraram a convocação.

Alguns dias após me surpreendo com a convocação para eleição de novo conselho, e obviamente, a trama começa a se desenrolar, como disse anteriormente  se eu não soubesse das artimanhas a ardilos da pessoa não conseguiria imaginar tal situação e dada a convocação para a formação de um novo conselho, não só de forma ilegal, como também de forma IMORAL, foi uma ação isolada de uma diretora que crê piamente que pode se colocar como um verdadeiro ditador de uma pequena nação, se esquece, porém que, havendo pais e mestres responsáveis e conscientes de tudo ao seu redor, pessoas pequenas e mesquinhas não conseguem chegar as suas funestas ações uma vez que a luz sempre incomodará àqueles que estão na sombra.

Nesta nova convocação, ficou evidente e clara as intenções desta nova diretora, ela deseja e anseia por um conselho calado e não participativo para que todas as suas atitudes sejam aprovadas, demonstrando que o ranço de uma era que já acabou a muito tempo e que ainda tem o desejo de se manifestar nesta sociedade.

Minha manifestação em tal convocação não poderia ser outra senão a demonstração de repudio à mesma e de sua ilegalidade jurídica, moral e social e como um verdadeiro leão, protegerei meus rebentos de uma possível gestapo nazista a ser instalada nesta EMEF aos moldes de uma ditadura falida que fora a dos militares nacionais. Naquele dia ganhou a liberdade, a diretora se viu obrigada a recuar de seu primeiro ato, mas estejam certos de que este não será apenas seu único movimento, outros mais surgirão, contudo, de agora em diante, com a cara limpa e erguida e com a ORDEM E PROGRESSO em meu peito, estarei preparado e não permitirei jamais que nenhum fascista  imoral e ditador faça de sua retorica a dos meus filhos.

Tenhamos em nossos corações sempre: A Mais ampla LIBERDADE, no mais amplo RESPEITO!

Peço a todos os leitores que aqui se manifestem, de forma consciente e justa, esteja a favor ou contra e convido a Diretora a que de fato se manifeste e exponha a verdade de seus atos, nunca antes esta escola (que eu saiba) teve reuniões tão conturbadas.

segunda-feira, 25 de março de 2013

O inicio do Fim da democracia no Brasil

Como já se não bastasse o governo publicar suas próprias leis a favor de seu bolso, tem-se inicio a tomada dos direitos dos cidadãos com base no direito.

A partir do momento em que o Brasil foi nomeado para a Copa e para as Olimpíadas  as desculpas mais esfarrapadas na doutrina da população e dos empresários deu-se inicio de forma descarada.

Provenientes de um fascismo governamental sem tamanho, a sem sem-vergonhice em querer controlar a tudo e a todos espreita à porta de qualquer transeunte nos dias de hoje, podem me chamar de louco, de teorista de conspiração, mas o fatos são os fatos e não há como nega-los.

Já não é de hoje que existe uma campanha contra o empresariado colocando-o como o demônio encarnado contra o pobre e coitado empregado, e a população idiotizada cai como um patinho e nem sabe que estão sendo ludibriados e roubados diretamente em seus bolsos. Vejam por exemplo a tributação sobre os salários pagos, se você tem na carteira o valor de R$ 1.000,00 o empresário paga outros R$ 1.150,00 só para manter você registrado a titulo de "benefícios" aos empregados, só que estes benefícios nunca retornam e quando retornam você está tão velho que não tem nem mais como gastar em outra coisa que não sejam remédios, mas daí o governo te "dá" o remedio (não é mesmo), só rindo pra não chorar.

Esse demônio encarnado, que agora virou a bola da vez o turismo nacional, desde 2004 tem regras, normas e regulamentos com relação às funções de seus contratados, isto quer dizer que, se na função descrita pelo governo você tem que fazer alguma coisa e não a faz, tudo bem, contudo se faz outra coisa, o empresário vai pagar multas. um exemplo, um mensageiro em um hotel, não pode sequer pedir para o serviço de quarto entregar uma água para o hospede, porque justamente não faz parte da descrição de sua função de acordo com o que o governo quer, você ainda tem duvidas de viver num estado ditatorial e fascista?

Então pasme, a titulo de dar direitos a quem não os tem, uma mentira das mais deslavadas, estão criando-se leis e direitos a uns em detrimento de outros, vejam as leis gayzistas que já começam com o titulo de forma em dissociação cognitiva; pra quem não conhece o termo este significa justamente colocar de forma correta o que não é fazendo com que seu cérebro trave e aceite como real.

Dizer que alguém que tem verdadeiro ódio por homossexuais seja homofóbico é uma forma desta dissociação cognitiva e é bastante simples perceber já que qualquer fobia é conhecida pelos populares como medo extremo, pavor, como é o caso dos que tem pavor a altura, populares já sabem que isto é uma fobia; pois bem, qualquer pavor irracional é conhecido como fobia e nenhuma pessoa nesta condição tem a intenção sequer de se aproximar daquilo a que tem o real pavor, logo, se há alguém homofóbico, este alguém deve ter um pavor irrestrito a alguém de seu mesmo sexo, e este não vai chegando ou planejar dar tapas e pontapés.

Logicamente para que você aceite a ideia de dar direitos a mais a alguém que já os tem, precisam, necessariamente fazer com que você não raciocine e sequer questione, desta maneira se consegue dar o direito a mais a alguém, e é isto exatamente que já estão fazendo com as discussões de implantações de Leis "anti homofobia" vão tirar direitos seus para dar a outros que já tem os mesmos que os seus, só que estes se tornarão superpoderosos.

Porque necessariamente tudo isto? simples, para instaurar o estado ditatorial descarado e não mascarado como existe hoje, nos dias de hoje e graças a internet você tem o seu direito a se expressar da forma e da maneira que você quiser, não há filtros e você pode denunciar como e quando quiserem, já num estado ditatorial este seu direito será cerceado  Por exemplo, se uma lei que dá direitos a homossexuais maiores que os meus, quando um gay me molestar não vou poder dizer nada a não ser ir para a cadeia quietinho sem contestar ninguém. Ora bolas, este é o inicio do fim, porque quando fizerem isto, pode ter certeza que a mesma lei será manifestada para os que detém o poder, e dai, não haverá Deus que nos acuda, porque você deixou que isto aconteça.


sábado, 16 de fevereiro de 2013

Melhore a sua concentração e meditação

Parece simples, e é, para aqueles que ainda não treinaram ou estão começando na senda da meditação lhes indico os 3 primeiros minutos da 7ma sinfonia de Bethoven, 2do Movimento em Lá Maior, as notas simplesmente são cosmicamente perfeitas.











Sinfonia N º 7 - Op. 92

Poco Sostenuto / Vivace / Allegretto / Presto / Allegro con brio

Staatskapelle Berlim

Diretor: Otmar Suitner



Ludwig van Beethoven Sinfonia n º 7 em Lá maior. op 92, foi a sétima de suas nove sinfonias. Trabalhou com ela durante a sua estada na cidade termal de Teplice Bohemian, na esperança de melhorar a sua saúde. Foi concluída em 1812, e foi dedicada ao conde Moritz von Fries.
Na sua estréia, Beethoven foi destacado como uma de suas melhores obras. O Allegretto segundo movimento foi o movimento mais popular e teve que ser repetido. A popularidade instantânea do Allegretto resultou em seu desempenho freqüente separado da sinfonia completa.

Desempenho em tempo dura cerca de 37 minutos. O trabalho como um todo é conhecido por seu uso de dispositivos rítmicos que sugerem uma dança, como o ritmo dos pontos e repetidas figuras rítmicas. É também a tonalidade sutil, utilizando as tensões entre os principais centros de A, C e F. Por exemplo, o primeiro movimento é um episódios importantes, mas repetida em C maior e principal F. Além disso, o segundo movimento é em um menor na maioria dos episódios, e é o scherzo em Fá maior.

Primeiro movimento
O primeiro movimento começa com uma longa introdução, marcada Poco sostenuto expansão caracterizada por longas escalas ascendentes e uma série de cascata dominante que facilita a modulação aplicada a C maior e Fá maior. Desde o último episódio em Fá maior, transições movimento Vivace através de uma série de nada menos que 60 e uma repetição da nota E. O Vivace é em forma de sonata, e é dominado por animada dança de ritmos como (por exemplo, pontos de ritmos), súbitas mudanças dinâmicas e modulações abruptas. Em particular, o desenvolvimento da seção aberta em C maior e contém episódios extensos em F maior. O movimento termina com uma coda longa começa de forma semelhante à secção de desenvolvimento. A coda contém um bar famoso passo vigésimo consistindo de um motivo de dois compassos que se repete 10 vezes mais profundo fundo quatro oitavas de pedal ponto E. O crítico e compositor Carl Maria von Weber disse ter marcado Beethoven "digno de um hospício" depois de ouvir essa passagem.


Segundo movimento
O segundo movimento, em Lá menor tem um ritmo marcação de Allegretto (alguns animado), por isso é lento apenas em comparação com os outros três movimentos. Este movimento chamado para uma repetição na estréia e manteve-se popular desde então. O ostinato (repetido figura rítmica) de uma semínima, duas colcheias e dois pretos é ouvida repetidamente. O movimento começa com a melodia principal tocada pelas violas e violoncelos. Esta melodia é tocada pelos violinos segundo, enquanto as violas e violoncelos jogar um segundo, mas a melodia igualmente importante, uma música de George Grove descrito como "uma série de heads-up belezas." Em seguida, os primeiros violinos tomar a primeira melodia, enquanto os segundos violinos tomar o segundo. Esta progressão culmina com a secção de metais tocando a música em primeiro lugar, enquanto o primeiro violino desempenha o segundo. Após este clímax, a música muda de um menor para um grande como clarinetes tomar uma melodia mais calma trigêmeos luz de fundo desempenhado pelos violinos. Esta seção termina 37 bares mais tarde, com uma rápida diminuição das cordas a uma escala menor e a primeira melodia é retomada e desenvolvida em fugato estrito.

Terceiro movimento
O terceiro movimento é um scherzo em F trio principal e D maior. Aqui, o trio (com base em um hino peregrino austríaco) é jogado duas vezes em vez de uma vez. Essa expansão do habitual AB-A estrutura ternária ABEBA era muito comum em outras obras de Beethoven durante este período, e como sua Quarta Sinfonia. 59 String Quartet No. 2.

Quarto movimento
O último movimento é em forma sonata, a fim de que contém um exemplo raro na música de Beethoven, marcou dinâmica ƒƒƒ (chamado forte ou fortíssimo Fortississimo). Donald Tovey, que escreveu em seus Ensaios em Análise Musical, disse que "este movimento fúria báquica" e muitos outros escritores têm comentado sobre sua dança giro de energia: o tema principal lembra vagamente Beethoven arranjo de canção folclórica irlandesa "Save Me a sepultura e sábio ", No. 8 de Doze canções folclóricas irlandesas, WoO 154.

Ouça a obra completa