Páginas

Você é meu convidado

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Deus (ár. “Allah”)

Em arábico, o nome “Allah” significa “O Único Deus Vrdadeiro”, Aquele que criou os Céus e a Terra. Judeus e Cristãos que falam árabe referem-se igualmente a Deus pelo nome de “Allah”.

É normal que os muçulmanos falantes da língua portuguesa tenham uma ligação especial à palavra Allah, em relação à qual desenvolveram uma maior proximidade, visto que a invocam diariamente nas suas fórmulas de orações e récitas do Alcorão em língua árabe. Para nós, a palavra Allah possui uma eficácia emocional e espiritual directa que nenhuma outra palavra que designe Deus poderá substituir. Mas é raro que a palavra produza o mesmo efeito nos não-muçulmanos e não-árabes, e a verdade é que apenas um número muito reduzido desses indivíduos irá desenvolver uma sensibilidade à palavra equivalente à nossa, apenas por serem constantemente bombardeados com ela. Para alguns, apesar de se empenharem genuinamente na tentativa de manterem o espírito aberto, a utilização da palavra “Allah” continua a evocar uma longa série de preconceitos culturais profundamente enraizados, bem como outras associações negativas tanto no plano consciente como no inconsciente. Por outro lado, o recurso à palavra “Deus” fomenta uma resposta de associação imediata na maioria dos não-muçulmanos falantes de língua portuguesa, algo que seria praticamente impossível com a palavra “Allah”, mesmo depois de um período de muitos anos de exposição com uma conotação positiva. Ora, da mesma forma que a nossa ligação à palavra “Allah” não nos afasta da evocação de Deus através do recurso a outros belos nomes em língua árabe, também o nosso amor por essa palavra e pela língua árabe não nos deve incitar a alvitrar a antiga palavra portuguesa "Deus”, que, entre o legado de nomes divinos revelados ao ser humano, possui uma história única e ilustre. Do mesmo modo, a fidelidade ao uso da palavra “Allah” não deve levar os falantes das línguas persa e urdu a desacreditar a antiga palavra indo-europeia “Khoda” (Deus), que, tal como "Deus", possui uma raiz monoteísta e que muitos escolásticos, místicos, poetas e historiadores consideraram perfeitamente adequada durante mais de um milhar de anos. (1)

Ao usarmos a língua portuguesa (ou inglesa, ou francesa, etc.), façamo-la de forma inteligente, com respeito e reverência. O nosso testemunho de fé, traduzido de uma forma concisa e eficaz, é o seguinte:

"Não há outra divindade além de Deus e Muhammad é o Mensageiro de Deus".

Ainda assim, há quem opte por traduzir todas as palavras à excepção da mais importante: "Não existe deus para além de Allah…”. Esta tradução parcial tem tendência a criar barreiras injustificadas para o não-muçulmano que a escuta, induzindo a uma panóplia de conotações negativas. Para além do mais, este tipo de tradução torna indispensável uma explicação mais profunda, para se tornar claro que Allah quer dizer Deus. Ainda assim, evitar o uso da palavra “Deus”, mesmo que seja com o objectivo de fazer este tipo de comentário, cria, sem qualquer necessidade, a impressão de que o uso da palavra "Deus” não é adequado.

Se Allah e Deus querem dizer o mesmo, cristãos e judeus têm razão para questionar a razão pela qual os muçulmanos evitam sistematicamente o uso da palavra portuguesa, preciosidade que tanto os judeus como os cristãos têm usado ao longo dos tempos, de forma perfeitamente apropriada, para traduzir os bíblicos Elo¯hîm e Al¥h¥. E a verdade é que não podemos culpar ninguém, a não ser a nós próprios, pelo facto de, em resultado de um apego desapropriado à nossa língua sagrada, darmos a sensação de que, afinal, não veneramos o mesmo Deus, ou então de que o nosso Allah é superior ao Deus bíblico, o Deus de Abraão, Ismael, Isaac, Jacob, das tribos de Israel, Moisés, Jesus e de todos os outros Profetas (a paz esteja com eles).

O recurso à palavra “Deus” acentua a base comum que partilhamos com as outras tradições universais e Abraâmicas, convertendo-se num meio simples e convincente através do qual os muçulmanos podem intervir sobre os preconceitos relativos ao Alcorão, a fim de realçarem as semelhanças entre os credos. Evitar o uso da palavra “Deus” dissimula a nossa crença comum no Deus de Abraão e a continuidade que preservamos relativamente à tradição Abraâmica, que é essencial para a nossa fé. Temos de ultrapassar a nossa apreensão acerca da palavra "Deus", devido ao valor intrínseco da palavra a nível histórico mas, também, porque o uso da mesma nos dá a capacidade de comunicar de uma forma significativa com os nossos vizinhos cristãos e judeus, para além de todos os outros falantes da língua portuguesa.

______________

Nota:
(1). Khoda deriva de Hwa-Taw, palavra da antiga língua iraniana (Indo-Europeu) que significa “capaz” ou “poderoso”. Ou seja, “governante” e “Senhor”. É um nome majestático, que caracteriza Deus como uma entidade de omnipotência auto-suficiente. Ainda que a palavra inglesa "God" (Deus) e a palavra persa “Khod¥” tenham ambas origem indo-europeia, parecendo ser cognatos, elas derivam, na verdade, de raízes distintas.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Feliz Ano Novo

O calendário islâmico, que se baseia no ciclo lunar, foi introduzido pela primeira vez no ano 638 d.C pelo companheiro próximo do Profeta e segundo califa, 'Umar ibn al-Khattab (592-644 d.C). Ele tomou essa decisão, numa tentativa de racionalizar os vários sistemas de datas usados naquela época. 'Umar consultou seus conselheiros sobre a data de início da nova cronologia muçulmana e finalmente foi acordado que o acontecimento de referência mais adequado para o calendário islâmico era a Hégira. Para a data do início verdadeiro do calendário foi escolhido (com base no ano lunar, contando-se para trás) o primeiro dia do primeiro mês (1° de Muharram) do ano da Hégira. O calendário islâmico (Hégira) (com datas que caem dentro da era muçulmana) é normalmente abreviado pela letra H., tirado das línguas ocidentais derivadas do latim, Anno Hegirae. Portanto, 1° Muharram, do ano 1, corresponde ao dia 16 de julho do ano de 622 da era cristã.

A Hégira, que narra a migração do Profeta Mohammad (saw) de Meca para Medina, em setembro de 622 d.C., é o acontecimento histórico central dos primórdios do Islam e que teve como consequência o estabelecimento da primeira cidade-estado muçulmana, um ponto decisivo na história mundial e islâmica. Para os muçulmanos o calendário com base na Hégira não é só um sistema afetivo de contagem de tempo e de datas de acontecimentos religiosos importantes (por exemplo, o jejum e a peregrinação a Meca). Tem uma importância histórica e religiosa muito mais profunda.

o dia 1º de Muharram no calendario gregoriano cai no dia 29 d Dezembro, então pessoas, não confundam, o muçulmano não comemora o natal nem o ano novo gregoriano, estamos comemorando o nosso ano novo.

Salam

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

O SACRIFÍCIO DO ABATE (udhhiya)

Udhhiya, ou o sacrifício do abate no ‘Id ul Adha é uma tradição fortemente recomendada. Mostra que o muçulmano é um servo comprometido com Allah e obediente a Ele e está sempre pronto a sacrificar tudo, até mesmo a própria vida, em nome de Allah. Udhhiya é uma representação e recordação do grande sacrifício que o Profeta Abraão submeteu a Deus, quando tentou sacrificar seu próprio filho, Ismael, para atender à ordem de Allah Todo Poderoso.

São as seguintes as condições essenciais para o sacrifício:

1. o nome de Allah (Bismillahi Allahu Akbar) deve ser dito enquanto se mata o animal;

2. udhhiya não pode ser feito antes da oração do ‘Id. Deve ser feito imediatamente depois das orações ou nos três dias após o ‘Id: Dhul Hajj 11, 12, 13.

3. udhhiya pode ser um bode, um carneiro, uma vaca, um touro, um búfalo ou um camelo, de qualquer sexo. O animal prenhe não deve ser abatido. Sete pessoas podem partilhar quatro animais.

4. A carne do animal abatido deve ser divido em três partes. É fundamental que um terço da carne seja doada ao pobre e ao necessitado como presente. Um terço deve ser dado a amigos e parentes e o restante deve ficar para a própria pessoa.

5. Para aquele que pretender fazer o abate, é parte da sunnah não raspar o cabelo ou aparar as unhas após a lua do mês Dhul Hajj ser vista e até a hora do abate. (Sahih Muslim)

Eid al Adha

Em nome de Allah, O Misericordioso, O Misericordiador

O Louvor é para Allah, O Louvamos, pedimos Sua ajuda e imploramos Seu perdão, e nos refugiamos em Allah contra o mal de nossas almas e das nossas más ações. Aquele a quem Allah guiar ninguém poderá desencaminhar e aquele a quem Allah desencaminhar ninguém poderá encaminhar. Testemunhamos que não há divindade digna de adoração além de Allah e testemunhamos que Muhamad é Seu servo e mensageiro, e que a paz e as bênçãos de Allah esteja sobre o Profeta Muhamad SAAS e com seus familiares, companheiros e seguidores até o Dia do Juízo final. Amin!
‘Id al Adha (Festa do Sacr
ifício)

Não poderiamos começar nossa aula senão dizendo: “Allahu akbar, Allahu akbar, Allahu akbar. La ilaha ila Allah, Allahu akbar, Allahu akbar wa lilahi el hamd”.

O ‘Id al Adha é o ‘Id maior para os muçulmanos, o ‘Id do Hajj (da peregrinação a Makkah). Este ‘Id dura 4 dias, do dia 10 a dia 13 do mês de Dhul Hijjah. (de 8 a 11 de dezembro/2008) Mas porque este é o ‘Id se chama ‘Id al Adha (Festa do Sacrifício)?

Chama-se ‘Id al Adha porque remonta a historia do Profeta Abraão (AS) e seu filho Ismael (AS) que são um verdadeiro exemplo para os muçulmanos, um verdadeiro exemplo de submissão total a Allahu Ta’ala. Abraão (AS) teve uma inspiração em sonho que deveria sacrificar seu amado filho Ismael pela causa de Allah SWT. Mesmo isso lhe sendo extremamente dificultoso, Abraão não exitou em obedecer às ordens de Allah, pois era verdadeiramente submisso ao Conhecedor do oculto e do manifesto. Disse imediatamente: “Eis-me aqui Oh Allah, eis-me aqui e não há divindade além de Ti, os louvores, as graças e a Soberania pertencem a Ti, e não há parceiros junto a Ti”. Disse Allahu Ta’ala no Quran com relação ao Profeta Abraão:

“E quando o seu Senhor lhe disse: Submete-te a Mim!, respondeu: Eis que me submeto ao Senhor do Universo!” 2:131

“Allah elegeu Abraão por fiel amigo”4:125

“Abraão jamais foi judeu ou cristão; foi, outrossim, monoteísta, muçulmano, e nunca se contou entre os idólatras” 3:67

Então Abraão foi até seu filho Ismael (AS) e disse-lhe sobre o sonho. Então Ismael (AS), mesmo sendo jovem , era também um exemplo de submissão a Allah, então respondeu: “Oh meu pai faça o que te foi ordenado, me encontrarás insha Allah entre os pacientes”. Então quando ambos haviam se submetido, Abraão afiou a faca e colocou no pescoço de Ismael, mas a faca não fazia sequer um arranhão no pescoço de Ismael. Neste momento, Allah SWT enviou o anjo Gabriel com as boas novas dizendo-lhe que substituísse Ismael por um cordeiro que deveria ser sacrificado em nome de Allah. Allah SWT disse no Quran:

“Certamente que esta foi a verdadeira prova. E o resgatamos com outro sacrifício importante. E o fizemos (Abraão) passar para a posteridade.Que a paz esteja com Abraão “ 37:106 -109

Portanto, nós muçulmanos seguimos o exemplo do Profeta Abraão, o Patriarca dos Profetas, sendo obrigatório a toda família muçulmana oferecer um sacrifício, relembrando o verdadeiro significado do Islam (Submissão total a Allah) e também para refletirmos se realmente temos sido verdadeiramente muçulmanos, submissos a Allah, ou se temos deixado de acatar Suas ordens . Por esse motivo é chamado ‘Id al Adha (Festa do Sacrifício), o ‘Id que nos lembra o que é ser muçulmano, Abraão ficou de exemplo para todos nós até o Dia do Juízo. Disse Allahu Ta’ala:

“Dize: Allah diz a verdade. Segui, pois, a religião de Abraão, o monoteísta, que jamais se contou entre os idólatras” 3:95

Além disso, o Hajj é uma recordação disso, pois remonta a história do Profeta Abraão (AS) que juntamente com seu filho Ismael que levantou os alicerces da Kaabah, a Casa Sagrada. E mais tarde da descendência de Ismael veio o último Mensageiro de Allah, Muhamad SAAS. Allah SWT disse no Quran:

“E quando Abraão e Ismael levantaram os alicerces da Casa, exclamaram: Ó Senhor nosso, aceita-a de nós pois Tu és Oniouvinte, Sapientíssimo”. 2:127

Após a construção da Kaabah, Abraão no meio do deserto fez um importante chamado, um chamado que chegou aos ouvidos de milhares e milhares de muçulmanos. Allah SWT disse:

“E proclama a peregrinação às pessoas; elas virão a ti a pé, e montando toda espécie de camelos, de todo longínquo lugar” 22:27

Hoje, graças a esse chamado, milhões de pessoas de todos os lugares do mundo vão até Makkah, neste mês sagrado de Dhul Hijjah, para realizar os rituais do Hajj, repetindo as palavras de Abraão:

“Eis-me aqui Oh Allah, eis-me aqui e não há divindade além de Ti, os louvores, as graças e a Soberania pertencem a Ti, e não há parceiros junto a Ti” (Labeika Allahuma labeik, Labeika la sharika laka labeik inna Al Hamda wa ne’mata laka wal Mulk la sharika lak)

Bom, depois de termos visto o sentido do Eid al Adha, o que um muçulmano deve fazer no dia do ‘Id e qual deve ser a sua conduta conforme a Sunnah do Profeta Muhamad SAAS:

1º) Antes de sair para a oração de ‘Id é aconselhável que o muçulmano faça o ghusl, ou seja, tome um banho completo. É relatado em diversos ahadith que o Profeta SAAS bem como os sahaba (Companheiros) costumavam fazer o ghusl antes de ir para a oração de ‘Id.

2º) No ‘Id al Adha diferentemente do ‘Id al Fitr (encerramento do Ramadan) é aconselhável que o muçulmano vá para a oração em jejum, e após a oração quebre o jejum de preferência comendo do animal sacrificado.

3º) O muçulmano deveria vestir as melhores roupas que ele tiver no dia do ‘Id. O Profeta Muhamad SAAS e os sahabah costumavam a se adornarem para o ‘Id. Quanto as mulheres deveriam tomar cuidado para que suas roupas não sejam chamativas, mas sim com roupas discretas que não chamem atenção dos homens, além disso não devem usar perfume nem maquiagem pois elas estarão saindo com a finalidade de adoração.

4º) O Takbir (o engradecimento de Allah SWT). Essa é a sunnah mais importante no Dia do ‘Id. É aconselhável que se faça o takbir durante toda a trajetória até o local de oração. Lembrem-se que esse takbir deve ser feito até o último dia de tashriq, ou seja, dia 13 de Dhul Hijjah.(11 de dezembro) (Como é feito esse takbir? Da seguinte forma, dizendo:

“Allahu akbar, Allahu akbar, Allahu akbar, la ilaha ila Allah, Allahu akbar, Allahu akbar wa lillahi al Hamd” (Allah é Maior, Allah é Maior, Allah é Maior, não há divindade além de Allah, Allah é Maior, Allah é Maior e para Allah são os louvores).

5º) Todo o muçulmano deveria ir para a oração de ‘Id. Existe divergência dos sábios quanto a obrigatoriedade individual da Oração do ‘Id, mas grande parte dos Sábios entendem que é uma prescrição obrigatória a todos os muçulmanos, fundamentando com o hadith sahih do Profeta SAAS onde ele ordena a todos irem à oração de ‘Id inclusive as mulheres e crianças, até mesmo as mulheres que estiverem menstruadas, mas nesse caso não deverão ficar no local da oração, mas em algum lugar separado.

6º) A sunnah é que a Oração de ‘Id seja realizada fora da mesquita, ou seja, em outro lugar mais espaçoso onde todos muçulmanos possam assistir a oração, mas não há problema da oração do ‘Id ser feita na mesquita, pois uma vez o Profeta SAAS fez a oração de ‘Id na mesquita. A questão é: Se a oração de ‘Id for feita fora da mesquita não há necessidade de se rezar 2 rakaas de Tahiyatul al Masjid (Cumprimento da Mesquita) basta chegar sentar e fazer o takbir, pois nem o Profeta nem os sahaba fizeram. Mas se a oração for na mesquita, deve-se fazer 2 rakaas de Tahyatul Masjid devido ao hadith geral do Profeta SAAS onde ele disse: “Quando qualquer um de vocês entrar na mesquita que não se sente antes de oferecer 2 rakaas”.

7º) Após a oração é aconselhável que os muçulmanos se cumprimentem e se felicitem. As pessoas costumam se cumprimentar dizendo: “ ‘Id Mubarak” ou “Kul ‘am wa antum bi khair”, e nenhum deles estão errado. Mas o melhor cumprimento a ser usado é mesmo que era utilizado pelos sahaba que é dizer: “Taqabal Allah mina wa minkom” (Que Allah aceite nossas e as vossas boas ações). Jubair ibn Nufair disse: “Quando os companheiros do Profeta SAAS encontravam-se no dia de ‘Id diziam um ao outro: ‘Taqabal Allah mina wa minkom’”

8º) E por último, é sunnah ir à oração de ‘Id por um caminho e voltar por outro, pois o Profeta SAAS costumava fazer isso. Foi dito que a razão disso é que no Dia do Juízo os dois caminhos testemunharão a favor dos muçulmanos que passaram por eles para ir à Oração de ‘Id. Portanto irmãos, vamos nos esforçar por seguir a Sunnah do nosso amado Mensageiro SAAS, não só no ‘Id ou em ocasiões especiais, mas em todos os momentos das nossas vidas, pois Allah SWT disse no Quran:

“Realmente, tendes no Mensageiro de Allah um excelente exemplo para aqueles que esperam contemplar Allah, deparar-se com o Dia do Juízo Final, e invocam Allah freqüentemente.” Que Allah SWT aceite nosso jejum e nosso esforço e tenha insha Allah nos escrito dentre os salvos do fogo infernal e dentre o Povo do Paraíso. Takabal Allahu mina wa minkom insha Allah!!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

TOME POR FAVOR, 2 MINUTOS DE SEU TEMPO PARA LER ISTO

Em nome de Deus, O Clemente, O Misericordioso.


Rasulullah ( S.A.W.) disse: “ O paraíso está embaixo dos pés de sua mãe.”

Rasulullah (S.A.W.) disse: “Se você ler a Kalima com convicção apenas uma vez o Jannah (paraíso) estará com você”.

Rasulullah (S.A.W.) disse: “A mulher que descobrir seu corpo ou usar roupas apertadas, não entrará e não sentirá o cheiro do paraíso durante 500 anos”

Rasulullah (S.A.W.) disse, “a poeira que se estabelece em um homem quando estiver para fora no trajeto de Allah; não somente o fogo, mas o fumo de Jahannah é haraam para aquelas partes do corpo”.


Rasulullah ( S.A.W.) disse, “Eu amaldiçôo somente 3 tipos de pessoas:

1. Aquelas pessoas que não cuidam de seus pais quando se tornam idosos.

2. Aquelas pessoas que não tiram vantagem das bênçãos do mês do Ramadan.

3. Aquelas pessoas que não dizem: “Salallahu Alayhy Wasallam” quando meu nome for mencionado.”


Rasulullah ( S.A. W ) disse, “A pessoa inteligente é aquela que está constantemente pensando e está se preparando para a morte.”


Rasulullah (S.A.W.) disse, “È melhor para um homem cravar uma espada no centro de sua cabeça do que tocar na palma da mão de uma mulher desconhecida.”



Imagine isto acontecendo com você!

Um dia, durante o Salat Jummah, uma assembléia de 1.000 membros, foi surpreendida por dois homens que entraram na mesquita, estavam cobertos de preto da cabeça aos pés e com metralhadora nas mãos.

Um dos homens disse:

“Quem quer levar um tiro por Allah permaneça onde está.”

Imediatamente, a assembléia fugiu, e das 1.000 pessoas que estavam lá somente 20 permaneceram.

O homem que tinha falado tirou a capa que o cobria, olhou para o Imaam e disse:

“Sheikh, eu livrei-lhe de todos os hipócritas. Agora você pode começar o seu sermão.”

Os dois homens deram á volta e sairam.

MUITO PROFUNDO PARA PASSAR ADIANTE?


“Engraçado como nós acreditamos em que os jornais dizem… mas questionamos o que o Qur’an (Alcorão) diz.”

“Engraçado como todos querem ir para o paraíso… desde que não precise acreditar pensar, dizer ou fazer o q o Qur’an diz.”

“Engraçado como alguém pode dizer que “Eu acredito em Allah”… mas ainda siga o Shaitaan 'diabo' (quem, supostamente, “acreditava” em Allah).”

“Engraçado como você pode enviar milhares de emails divertidos que se espalham rapidamente… mas quando você começa a enviar mensagens a respeito de Allah, as pessoas pensam duas vezes antes de compartilhá-la”.


Engraçado, não é?


“Engraçado como alguém pode adorar tanto a Allah na sexta-feira... mas ser um muçulmano invisível no resto da semana”.


Você está rindo?


“Engraçado como quando você for enviar esta mensagem… você não a mandará para muitos em sua lista de endereço porque você não está certo em que eles acreditam, ou o que pensarão de você por ter enviado.”


“Engraçado como eu posso me preocupar mais sobre o que outros vão pensar de mim… do que Allah pensa de mim.”

Você está pensando?

Você compartilhará esta mensagem com as pessoas que você gosta???


Ou não?


ALLAHU AKBAR!!!!

Allah é PODEROSO!
Durante os próximos 60 segundos, pare o que quer que você esteja fazendo, e passe isso a diante, mais pessoas rezarão por você e você estará obedecendo a Allah.
Allah disse: “se você tem vergonha de mim, eu terei vergonha de você”.
Se você não tem vergonha de Allah, envie esta mensagem… somente se você acredita.

'Sim, eu amo Allah.
Allah é fonte da minha vida e meu salvador.
Allah me protege dia e noite. Sem Allah, eu sou ninguém. Mas com Allah, eu posso fazer tudo.
Allah é minha força. '

Este é um teste simples. Se você ama Allah e você não tem vergonha de todas as coisas boas que Ele faz por você, envie isto a todos que você conhece.

Assalam Walaikom Warahmatullah wa Baraketom