Páginas

Você é meu convidado

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Começam nesta terça-feira as matrículas antecipadas

Escolas do Estado serão postos de cadastramento até dia 30 de setembro

A Secretaria da Educação inicia na nesta terça-feira, 1º de setembro, o período de matrículas antecipadas para estudantes de 1ª a 8ª série do Ensino Fundamental que estão fora da escola ou que desejam ingressar na rede estadual de ensino. Até o dia 30 de setembro, todas as escolas públicas do Estado serão postos de cadastramento.

Para efetuar a inscrição, pais ou responsáveis devem procurar qualquer unidade estadual ou municipal, levando certidão de nascimento ou R.G. de seu filho e um comprovante de residência.

A matrícula antecipada é válida para crianças a partir de 6 anos completos ou a completar até o início do ano letivo de 2010. O período também é válido para adolescentes a partir dos 16 anos interessados em ingressar no Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Aqueles que já estudam em escolas estaduais serão rematriculados automaticamente.

Entre outubro e novembro, os dados colhidos durante o período de cadastramento serão organizados e as matrículas efetivadas. Os alunos que já estudam na rede pública receberão a informação sobre a escola de destino na própria unidade que frequentam. Para os demais estudantes, a Secretaria vai enviar correspondência informando a escola em que foi matriculado.

Planejamento

Realizada em parceria com os 645 municípios do Estado, a matrícula antecipada é uma importante ferramenta para que a Pasta e os municípios consigam organizar o atendimento dos alunos ingressantes, garantindo que o estudante seja encaminhado à escola mais próxima de sua casa, além de evitar filas nas portas das escolas no início do ano letivo.

Da Secretaria de Estado da Educação

Escola Esvaldo Cruz na Mooca em Duvida

Com duvidas sobre a correta gestão da escola Osvaldo Cruz, estou enviando a seguinte correspondencia a mesma:

A
Escola Estadual Osvaldo Cruz
Rua da Mooca – Mooca – São Paulo – SP

A/C Diretoria


Caros Senhores:


Venho por meio desta solicitar resposta as seguintes questões abaixo indicadas:


1) Conforme O Programa Escola da Família que foi criado no dia 23 de agosto de 2003 pela Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Ele proporciona a abertura de escolas da Rede Estadual de Ensino aos finais de semana, com o objetivo de criar uma cultura da paz, despertar potencialidades e ampliar os horizontes culturais de seus participantes. Reunindo profissionais da Educação, voluntários e universitários, o Programa oferece às comunidades paulistas atividades voltadas para a inclusão social, o respeito à pluralidade e a qualidade de vida.

Porque até a presente data esta escola não abriu suas portas à comunidade?

2) Sobre o Conselho da Escola, o qual somos cobrados quando fazemos a matricula de nossos filhos para colaboração financeira pelos funcionários desta escola:

Aonde está este conselho?

Quando são realizadas as reuniões?

Quem são os participantes?

Porque nunca recebemos noticias da atuação deste conselho?

3) Sobre os equipamentos escolares:

Quais são os motivos de ainda se utilizar mimeografo nesta escola em pleno século 21?

Porque não há o material de higiene para prevenção de da gripe H1N1 distribuida pelo estado a todas as escolas, disponível aos alunos?



Conforme normativa do estado, aguardo seu retorno por escrito no prazo de até 10 dias


Atenciosamente

Mario Cezar Nogales
Pai de Aluno

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Para Lembrar A Vida Toda

Eu e minhas filhas na praia, quando elas foram grandes esta será a imagem que sempre vou guardar delas.


Escola Estadual Osvaldo Cruz

Caros leitores

Todos os dias na CBN ouço falar de como está progradindo a educação em nossa cidade com varios programas para melhorar as condições dos professores, os metodos de ensino, inclusive com grandes exemplos de profissionais engajados na educação de nosso futuro que são nossos filhos.

Pois bem, infelizmente a gente acaba tendo de conviver com alguns profissionais que parecem não estar engajados com esta pratica, ficando defasado e atrasado com os avanços de nossa era. Esses tipos de profissionais são mais parecidos com o Caso Sarney do que muita gente imagina, afinal de contas, no estado democratico, temos essa liberdade para falar e dizer o que pensamos, mas somente o falar e ficar indignado não mais está adiantando.

Pois bem temo o caso na Escola Estadual de Educação Infantil Osvaldo Cruz, que fica aqui na Mooca, na rua da Mooca.

Minha filha que estuda lá desde a primeira série, e hoje está na segunda série tem a professora Tereza, que por algumas atitudes da mesma já tivemos nossos entroncamentos de ideiais.

o primeiro ato (fazendo uma parodia ao teatro) com esta professora foi o seguinte:

Todos os dias minha filha chegava cantando hinos cristão e ou com a frase escrita no caderno: "Só Jesus Salva"

Pois bem, estamos em um estado democratico e laico, a escola estadual não tem em sua grade curricular aulas de religião, afinal de contas religião é livre em nosso pais.

Como não sou cristão, logicamente enviei meu repudio a esta pratica, apesar das reclamações da professora esta pratica entrou em pausa.

Logo depois fui chamado na direção pois eu estava escrevendo recados no caderno da minha filha e segundo a Professora e a Diretora da escola isso não poderia acontecer pois a supervisora de ensino, se "pegasse" isso, pegaria mal pra elas.

mas agora a gota d'agua: Recebi um recado da professora que ela vai dar falta aos alunos que não apresentem a lição de casa. Ora minha filha faz a lição de casa todos os dias e isto não é pretica de ensino e sim de punição.

Enviei um e-mail a secretaria de educação:

"Prezados Senhores Minha Filha estuda na Escola Osvaldo Cruz, localizado na rua da Mooca no bairro da Mooca, nesta capital paulista, na Segunda Serie B no periodo da tarde. A sua professora, de nome Tereza, enviou o Seguinte Recado pela agenda de minha filha: "Srs pais ou responsáveis: Toda vez que o(a) seu(sua) filho(a), não trouxer lição de casa, eu darei falta." e nos pede para darmos o ciente, logicamente não o fiz pois não estou de acordo com esta pratica e pelo que me lembro dos idos anos na escola publica o qual me formei, isto nunca fora pratica, e sim chamar os pais ou responsáveis na direção quando seu filho não levasse lição de casa. Esta pratica, anotar falta ao aluno por não apresentar a lição de casa, é legal? se legal, embasado em qual artigo? Muito me preocupa esta pratica dentre outras o qual a Professora Tereza vem praticando"


Fica aki registrada a minha indignação, logicamente como tenho reunão de pais neste dia 29 estarei confirmando meu protesto

Vejam o recado da professora e ainda por cima, minha filha me disse que ela pediu pra anotar no dia 28 deste mes.




quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Athan no seu celular

Muitos, assim como eu, muitas vezes se perdem no trabalho e acabam deixando de rezar por não escutar-mos o chamado para a oração.

Assim como as novas tecnologias, descobri que temos o Athan Basic para colocar no celular (qualquer celular), então irmãos, já não ha mais desculpas do "puxa vida, já passou a hora de rezar"


sigan o link http://www.islamicfinder.org/mobile/index.php?lang= , baixem o programa e instalem nos seus aparelhos.

Está Chegando o Ramadan



O Mês de Ramadan


Ramadan é um mês lunar, no qual Deus iniciou a revelação do Alcorão ao Seu Mensageiro, tendo a terra se iluminado com a luz de Seu Criador, essa noite é chamada por "A Noite do Decreto". Situa-se no último terço do mês de Ramadan, por isso os Muçulmanos fazem vigilias nessa noite, com orações, preces, e na recordação de Deus, e a isso está a referência do Profeta Muhammad
:

"Quem velar a noite do Decreto por fé e amor a Deus, terá perdoados todos os seus pecados passados".

Deus diz no Alcorão:

"Mês de Ramadan, em que foi revelado o Alcorão guia para a humanidade."

Não foi apenas o Alcorão o revelado nesse mês, pois Deus revelou todos os livros celestiais no mês de "Ramadan". Disse o Profeta Muhammad
:

"As páginas de Abraão foram reveladas no primeiro dia de Ramadan, e o Evangelho foi revelado aos treze dias do Ramadan."

Evidenciam-se as graças do mês de Ramadan através dos importantes acontecimentos que se registraram na história dos Muçulmanos e do Islamismo. No dia dezessete de Ramadan, no segundo ano da Hegira, Deus deu a vitória aos Muçulmanos, que em número de trezentos, sob o comando do Profeta Muhammad
; sobre aproximadamente mil combatentes infiéis que vieram agredi-los na batalha de "Badr".

Deus igualmente, proporcionou ao Profeta Muhammad
; a conquista da cidade de Makka aos vinte e dois dias do mês de Ramadan, no oitavo ano de Hegira. O Profeta Muhammad ; entrou em Makka vitorioso e destruiu seus ídolos com suas mãos honradas, recitando o Alcorão. Tendo Makka retornado ao Monoteísmo após ter sido um baluarte da "IDOLATRIA", e purificou-se com isso " A casa antiga" a Kaaba das impurezas e dos ídolos. E sucederam-se os acontecimentos culminando com a denominação: "O mês da vitória" ao mês de Ramadan. O Profeta Muhammad ; disse sobre as graças do Ramadan:

"Abrem-se nele, as portas do Céu, fecham-se nele as portas do Inferno e acorrentam-se nele os Demônios."

O período diário do jejum começa antes da alvorada despontar e acaba logo depois do pôr do sol. Normalmente, existem calendários exatos, elaborados pelas comunidades islâmicas locais (com dados fornecidos pelos Observatórios Astronômicos dos respectivos países Islâmicos), indicando as horas precisas, mas na falta de tais facilidades, deverá consultar-se o relógio e as posições do Sol, assim como os jornais locais, os boletins metereológicos, etc.

O jejum de Ramadan é obrigatório para qualquer Muçulmano responsável e apto (Mukallaf). Mas também se recomenda com insistência o jejum noutras alturas, conforme as Tradições do Profeta Muhammad
; por exemplo, todas as semanas à segunda e quinta-feira, alguns dias em cada um dos dois meses precedentes ao Ramadan, (Rajab e Chaaban), seis dias após o Ramadan, a seguir ao Id-al-Fitr.

Além disso, é sempre recomendado fazer jejum em qualquer dia de qualquer mês do ano, porém nos dias de "Ide" (Festa Islâmica) e às sextas-feiras, nenhum Muçulmano deverá jejuar. No entanto, repetimos que o único jejum obrigatório é do Ramadan, que pode durar 29 ou 30 dias, conforme as posições da Lua. Este é um dos pilares do Islam, e quem deixar de o fazer, sem escusa razoável, comete um pecado.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Crucifixos na berlinda

Não resisto a comentar a ação judicial movida pelo Ministério Público Federal de São Paulo que pede a retirada de crucifixos e bíblias das repartições públicas federais no Estado. Antes que me acusem de mais uma vez pegar no pé dos religiosos, já advirto que, desta vez, ao final do artigo os defenderei dos excessos do anticlericalismo.

É claro que eu sou a favor de que esses símbolos desapareçam de uma vez por todas de nossas cortes. Essa é uma discussão que já deveria ter sido resolvida mais de um século atrás, quando a Constituição de 1891 estabeleceu a separação entre Estado e igreja. Inexplicavelmente, porém, as Cartas que se seguiram ao texto de 1891, em vez de avançar, recuaram no que diz respeito à laicidade do poder público. O grande escândalo é a Constituição de 1988, que, contrariando a tendência histórica dos países desenvolvidos e os mais elementares ditames do bom senso e da administração responsável das verbas públicas, reintroduziu o ensino religioso nas escolas da rede oficial.

Deixemos, porém, a involução do direito constitucional brasileiro um pouco de lado e nos concentremos na questão dos símbolos religiosos em espaços públicos. Os defensores da permanência de crucifixos se dividem em duas categorias: há os que tentam justificá-la recorrendo ao argumento de que a maioria da população é cristã e os que veem na simbologia um apelo a valores éticos universais. Discordo de ambos.

A primeira tese é bem fraquinha, como o demonstra a seguinte comparação: a maioria dos brasileiros, asseveram as pesquisas, é flamenguista ou gloriosamente corinthiana; a ninguém, contudo, ocorreria valer-se dessa constatação para propor que se ornem as paredes dos tribunais com flâmulas desses dois clubes. Maiorias não definem a decoração de paredes públicas.

De resto, nem todos os cristãos são entusiastas do crucifixo. Algumas denominações protestantes o consideram um caso acabado de idolatria, pecado cuja prática meus ancestrais judeus puniam com o apedrejamento até a morte. Não é esse, contudo, o ponto central. Subjaz a esse raciocínio da maioria uma concepção profundamente errada do que seja o Estado democrático. A vontade da maior parte dos cidadãos é por certo um elemento importante da democracia, mas não é absoluto nem incondicional --ou teríamos de considerar a Alemanha nazista uma nação democrática, pois Hitler ascendeu ao poder pela via do voto. Maiorias servem para decidir quais serão os governantes e representantes em pleitos majoritários. Também podem definir o destino de propostas legislativas que sejam submetidas a consulta popular. Mas seu papel acaba mais ou menos por aí. Os direitos das minorias encontram-se protegidos pela Constituição mesmo contra a vontade da maioria e de eventuais governantes. Até mesmo as ideias dos que não compõem a maior parte se fazem representar no Parlamento através dos partidos de oposição.

O segundo argumento, de que o Cristo crucificado tem um valor que transcende a esta ou àquela religião e se reveste de caráter ético universal, é um pouquinho mais sofisticado do que o anterior, mas também me parece insuficiente. Em termos estritamente objetivos a cruz foi um dos métodos de execução mais populares entre os séculos 6 a.C. e 4 d.C. Era utilizada por romanos, persas e egípcios, entre outros povos ansiosos para livrar-se de seus criminosos. Se alguém ousasse propor que as paredes de nossos tribunais fossem adornadas por forcas, guilhotinas ou cadeiras elétricas provocaria a justa indignação de boa parte da opinião pública. Ora, nós deixamos de ver a cruz como um instrumento de execução apenas e justamente porque ela se tornou o símbolo maior do cristianismo, caráter que lhe é indissociável. Ainda que se queira apregoar que ela representa também padrões morais observados por todas as religiões --tese que precisaria ser provada--, essa seria uma característica absolutamente secundária diante do peso religioso que a imagem adquiriu.

E o direito de todos a espaços públicos livres de proselitismo religioso deveria ser autoevidente. Ao contrário do que muitos podem pensar, isso é algo que importa mais para o crente membro de grupo ou seita minoritários do que para ateus e agnósticos. Nós que não acreditamos num ser superior ou que julgam essa uma questão indecidível, tendemos a considerar imagens religiosas como uma manifestação supersticiosa, uma excentricidade no máximo. Já um judeu ou muçulmano praticantes podem ver na figura do Cristo crucificado um símbolo de opressão e morte. Não se pode dizer que eles não tenham boas razões históricas para pensar assim.

Aliás, a posição da Igreja Católica em relação ao laicismo tem algo de esquizofrênico. Enquanto ela se bate pela liberdade de culto --que pressupõe a não interferência estatal-- em países como a China e nações islâmicas, segue oficialmente condenando de forma duríssima a separação entre Estado e igreja, com termos como "tese absolutamente falsa", "erro perniciosíssimo" e "em alto grau injurioso para com Deus". Quem o afirma é a encíclica "Vehementer nos", baixada pelo papa Pio 10º (1903-1914) em 1906, como resposta à lei francesa que retirou os privilégios de que o Vaticano gozava no país. Até onde pude apurar, tal encíclica jamais foi revogada ou atualizada, o que torna sua posição aquela oficialmente abraçada pelo catolicismo. É claro que não cabe a mim ensinar os padres a rezar, mas é logicamente complicado defender a pluralidade quando se é minoria e a unidade quando na situação inversa. A contradição, é verdade, se dilui se se tem como pressuposto, como o faz o catolicismo, que existe apenas uma religião verdadeira. Essa, contudo, é uma lógica absolutamente não democrática e que pode levar à intolerância. Cabe aos Estados democráticos refutá-la, não apoiá-la.

Não acredito, entretanto, que se deva recair no outro extremo, como o vem fazendo a França. O país que concebeu e cultivou a separação entre Estado e igreja anda exagerando. Em 2004, o Parlamento gaulês emendou a Lei do Laicismo de 1905 para proibir a utilização de "símbolos religiosos ostensivos" em espaços públicos como escolas. O alvo eram os "hujub", os véus utilizados por mulheres muçulmanas. Mais recentemente, o presidente Nicolas Sarkozy vem falando em banir as burcas.

Vejo aí um outro erro de interpretação da natureza do Estado democrático. Se há uma liberdade fundamental a defender é a de que os indivíduos devem ser livres para possuir uma identidade --seja ela religiosa, política, sexual ou filosófica-- e expressá-la de forma pacífica. O Estado existe para servir os indivíduos em sua busca pelo que os deixe felizes ou os realize, não para colocá-los a serviço de um ideal de sociedade forjado por meia dúzia de políticos.

Hélio Schwartsman, 44, é articulista da Folha. Bacharel em filosofia, publicou "Aquilae Titicans - O Segredo de Avicena - Uma Aventura no Afeganistão" em 2001. Escreve para a Folha Online às quintas.

E-mail: helio@folhasp.com.br

Artista projeta pegadas de animais em diversos pontos de São Paulo

As informações estão atualizadas até a data acima. Sugerimos contatar o local para confirmar as informações

da Folha Online

Pegadas de animais devem invadir a cidade de São Paulo nos próximos dias. Nesta quinta-feira (13) e sábado (15), a artista Regina Silveira apresenta o projeto "Passeio Selvagem", em que realiza projeções em grande escala.


Reprodução


"Super-Herói (Night and Day)" (1997) é um dos
trabalhos de projeção da artista Regina Silveira


As intervenções deverão ser feitas em locais da cidade, como Sesc Santana, Parque da Juventude, Memorial da América Latina, Copan e Sesc Avenida Paulista. A artista ainda assina a instalação "Mundus Admirabilis", uma grande imagem de insetos gigantes feita em vinil, que cobre a fachada do Sesc Santana.

A intervenção ocorre das 19h às 22h, com aproximadamente 20 minutos de exibição em cada local. São projeções de pegadas de animais em configurações que metaforizam invasões selvagens de espaços, em arquiteturas interiores e fachadas.

A exibição da animação digital (dividida em 36 frames) é feita a partir de um equipamento de laser gráfico computadorizado para imagens animadas.

A tradição de obras projetadas da artista plástica se iniciou em 1997, com "Super-Herói (Night and Day)", seguida de "Transit" (2001) e "UFO" (2006).

"Passeio Selvagem": Qui. (13) e sáb. (15). Grátis. Qui.: 19h - Sesc Santana (av. Luiz Dumont Villares, 579); 20h - Parque da Juventude; 21h - Hotel Holiday, 22h - Memorial da América Latina. Sáb.: 19h - Copan; 20h - Sesc Avenida Paulista; 21h - Av. 9 de julho esq. com Avanhandava; 22h - Minhocão.

"Mundus Admirabilis": até dez.: fachada do Sesc Santana - av. Luiz Dumont Villares, 579, região norte, São Paulo, SP. Tel.: (11) 2971-8700. Grátis. Livre.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Webcam da BBC registra ovni durante transmissão de programa

da BBC Brasil

Um objeto voador não identificado (ovni) foi visto na webcam do programa "Breakfast News" do canal regional Look North da BBC, na terça-feira (4).

Uma linha prateada passou do canto esquerdo da parte de baixo da tela ao canto direito da parte de cima no momento em que o apresentador Colin Briggs lia as manchetes.

A BBC Look North agora está pedindo aos telespectadores para que eles digam o que eles acham que a webcam mostrou.

Veja o vídeo do ovni

terça-feira, 4 de agosto de 2009

ACESP, Sindicato Nacional do Comércio e estelionato

ACESP, Sindicato Nacional do Comércio e estelionato

Publicado/atualizado em 01/08/2007 05:18

Prenda-me se for Capaz

Está rolando por aí um golpe similar ao do registro.br (mais detalhes aqui), que é o envio de boletos bancários para pagamentos em nome de uma tal de ACESP - Associação Comercial do Estado de São Paulo e de um tal de Sindicato Nacional do Comércio, o que não passa de ENGANAÇÃO E ESTELIONATO! Se alguém receber boletos dessas "instituições", NÃO PAGUEM mesmo que constem ameaças de algum tipo, seja de ser inserido em alguma irregularidade ou de juros exorbitantes após o pagamento, pois o seu dinheiro vai ir para o bolso de algum safado que não é pego pelo nosso falho sistema, mesmo ele sendo identificado!

Paguem somente o que o seu contador lhe enviar. Ele fica atento à todas essas jogadas. Se você não puder falar com o seu contador naquele prazo simpático que vem nos boletos, onde geralmente ele chega no dia 1 para você pagar no dia 2, use o oráculo para dar uma consultada na tal "instituição", mas nunca pague nada sem ter certeza do que está pagando.

O que me espanta é a velocidade de tartaruga para prender esses estelionatários. No caso da tal da ACESP, que tem como sede a garagem de um sobrado, o sujeito já foi identificado, um tal de Adolfo Cardoso de Araújo, que já teve a prisão preventiva decretada e aplica esse golpe há mais de 10 anos! Para ter uma idéia da morosidade da coisa, em Janeiro de 2004 foi encaminhada uma representação ao Ministério Público, que ofereceu denúncia à Justiça por crime de estelionato, mas até hoje esses boletos pipocam por aí. O golpe do Sindicato Nacional do Comércio parece mais recente e só mais um dos que vão nessa onda. Resumindo: NÃO PAGUEM NADA QUE VOCÊS NÃO SAIBAM O QUE É e sempre consultem o seu contador e o oráculo quando suspeitarem de algo. De espertinhos que se dão bem à custa dos outros o mundo já está cheio, alguns até rendendo filmes, não precisamos de mais de alguns desses tipos.

Abaixo seguem algumas URLs sobre essas maracutaias.

Golpe da ACESP

  1. Boletos falsos
  2. Boletos da Acesp não devem ser pagos
  3. Procuradoria investiga boletos suspeitos
  4. Cuidado com boletos falsos
  5. Fraudes: Boletos de cobrança e as faturas falsas, infladas ou indevidas

Golpe do Sindicato Nacional do Comércio

  1. Fecomércio e Facmat alertam sobre cobranças irregulares
  2. Alta Floresta alerta empresários sobre boletos bancários falsos
  3. Empresa de São Paulo pode estar aplicando golpes em Dourados
  4. Sindicom orienta contra pagamento

Golpe do registro.br

  1. Nota de esclarecimento 25/09/2006
  2. Boleto falso do REGISTRO.BR (NIC.BR).
  3. Boleto falso engana usuários do REGISTRO.BR
  4. Boleto falso do REGISTRO.BR (NIC.BR)
  5. Fraude envolvendo nome do registro.br

Permalink: http://eustaquiorangel.com/posts/443

sábado, 1 de agosto de 2009

Mancha brilhante em Vênus intriga astrônomos

Astrônomos estão intrigados por uma estranha mancha brilhante que apareceu nas nuvens em torno do planeta Vênus.

O ponto foi notado pela primeira vez em 19 de julho por um astrônomo amador americano, e sua existência foi em seguida confirmada pela sonda Venus Express, da Agência Espacial Europeia (AEE).

Dados coletados pela sonda sugerem que a mancha apareceu pelo menos quatro dias antes de ter sido percebida na Terra.

Desde então, ela começou a se expandir, com os ventos ajudando-a a se espalhar pela densa atmosfera de Vênus.

Vulcão

Os cientistas ainda não sabem o que pode ter provocado a mancha, mas consideram a possibilidade da erupção de um vulcão.

Astrônomos acreditam que a maior parte do planeta é coberta de material resultado de atividade vulcânica no passado. Apesar de não existirem provas concretas dessas atividades no presente, os cientistas acreditam que elas ainda ocorrem.

Mas, segundo eles, para penetrar na atmosfera de Vênus, formada principalmente por gás carbônico, a erupção teria que ter sido extremamente forte.

Outra hipótese analisada pelos especialistas é a de que a mancha brilhante seja formada por partículas do Sol que estão interagindo com a atmosfera de Vênus.

Ou ainda, segundo os cientistas, ela pode ter sido provocada por material brilhante levado pela turbulência atmosférica a se concentrar em uma área específica.

Esta não é a primeira vez que se nota áreas brilhantes em Vênus, mas esta mancha é incomum porque se concentra em uma região relativamente pequena.

Astrônomos recentemente estudaram uma "cicatriz" em Júpiter, que eles acreditam ter sido provocada pelo impacto de um cometa ou asteroide.



Mysterious bright spot found on Venus


A strange spot emerged on Venus last week, and astronomers are not sure what caused it. They hope future observations will reveal whether volcanic activity, turbulence in the planet's atmosphere, or charged particles from the sun are to blame.

Amateur astronomer Frank Melillo of Holtsville, New York, first spotted the new feature, which is brighter than its surroundings at ultraviolet wavelengths, on the planet's southern hemisphere on 19 July. That same day, an amateur observer in Australia found a dark spot on Jupiter that had been caused by a meteoroid impact.

The Venus spot was confirmed by other observers, and images from Europe's Venus Express, the only spacecraft in orbit around the planet, later revealed that the spot had appeared at least four days before Melillo saw it.

Observations show that the spot had already spread out somewhat by the end of last week, and astronomers are awaiting more recent observations from Venus Express.

The spot is bright at ultraviolet wavelengths, which may argue against a meteoroid impact as a cause. That's because rocky bodies, with the exception of objects very rich in water ice, should cause an impact site to darken at ultraviolet wavelengths as it fills with debris that absorbs such light, says Sanjay Limaye of the University of Wisconsin-Madison and a member of the Venus Express team.

Powerful eruption?

Another possibility is that a gust of charged particles from the sun could have created the glow by energising a patch of the upper atmosphere. Alternatively, waves in the atmosphere, which trigger turbulence and are thought to carry material up and down, could have concentrated bright material to create the spot.

A volcanic eruption is another suspect. Venus boasts the most volcanoes of any planet in the solar system, and nearly 90% of its surface is covered by basaltic lava flows, although no 'smoking gun' has yet been found for current volcanic activity. But an eruption would have had to be very powerful to punch through a dense layer in Venus's atmosphere to create the spot some 65 to 70 kilometres above the planet's surface.

"It's fair to say something unusual happened on Venus. Unfortunately, we don't know what happened," Limaye told New Scientist.

Volcanic gases

Two spectrometers on board Venus Express might help reveal the culprit. One directly measures the spectrum of light emanating from the planet, while the other can measure trace constituents in the atmosphere by measuring how gases there absorb sunlight.

These instruments could reveal changes in the size distribution of particles in the atmosphere and higher concentrations of molecules, such as sulphur dioxide, that could suggest a volcanic eruption.

If a volcano is to blame, proving it will be difficult. Even if Venus Express finds higher-than-average levels of sulphur dioxide in the atmosphere, the observation could be explained by non-volcanic processes, cautions Limaye. Sunlight can break down sulphuric acid in Venus's clouds to create sulphur dioxide, which may not be evenly circulated in the planet's atmosphere.

Mystery world

This is not the first time astronomers have spotted bright features in Venus's atmosphere. Bright spots have been seen from Earth for decades, although they have not been clearly explained, Limaye says.

The most recent dramatic brightening occurred in January 2007, when areas in both the northern and southern hemispheres of the planet brightened. Because it is localised in a spot, this new feature looks different, but it is equally mysterious.

"This shows how much we don't know about Venus," Limaye says. In some ways, Venus is a simpler planet than Earth – it has no oceans and because of its nearly vertical spin axis, practically no seasons, he adds. But planetary scientists still do not understand what causes the planet's atmosphere to rotate 60 times faster than the planet itself.

If you would like to reuse any content from New Scientist, either in print or online, please contact the syndication department first for permission. New Scientist does not own rights to photos, but there are a variety of licensing options available for use of articles and graphics we own the copyright to.